setembro 22, 2010

Nunca deixes nada por dizer!




Venho de longe, de uma aldeia onde nada se passa, e se se passa logo se sabe. Aos dezanove anos por opção entrei na tropa, nos páras, a partir dessa altura o tempo na aldeia era pouco, a minha mãe dizia-me “só vens a casa para dormir” queria viver, absorver o mundo, como o eu conhecera nos livros, pois, mas a realidade era outra.

Em noventa e três tive um acidente de mota, quase passava para o outro lado, diz quem passou por experiências parecidas que vê a vida de outra forma, que tenta viver tudo e em pleno. Talvez comigo se tenha passado o mesmo, mas o que nos faz pensar, é ver os outros ir, por vezes de tal forma injusta que nos perguntamos “ mas por que raio é que só nos levam os bons???” “porque não me leva a mim?”  

Já vi morrer, sim... estranho, não é?? não é como nos filmes que depois de morrer se fecha os olhos a quem deixou de respirar, há o depois, há o sentimento que não se fez tudo o que se podia fazer, há os olhos que nos olham a dizer, “por favor não me deixes morrer” aqueles olhos que cada sofrego de oxigénio é um motivo para lutar, há o olhar de força, as palavras, “olha p'ra mim, eles estão a chegar, não adormeças, fica comigo.” Isto dito com a maior convicção do mundo, mas por outro lado sem que ninguém saiba, até mesmo eu, são palavras ao vento...aí...aí sim... as lágrimas escondidas, que ninguém pode ver, caem...e caem... e quando se está só... caem de verdade, até secarem.

"Não deixem nada por dizer, nem nada por fazer”

Disse António Feio, uma verdade daquelas que só quem pensa simples pode dizer, não deixes por dizer, gosto de ti, adoro-te ou mesmo amo-te, só porque não tens tempo, vergonha, não podes, não queres, não deixes de dizer, fizeste bem, gosto do que fazes.  

Hoje, podes dizer... Amanhã...quem sabe, estarás a chorar o não teres dito!

2 comentários:

  1. Adorei... Tantas coisas se dizem por dizer, e tantas outras que se guardam com vontade de as viver. Parabéns pelo texto está simplesmente delicioso:)

    ResponderEliminar