janeiro 28, 2010

Reizinhos despóstas ...

Hoje quando saí do trabalho numa radio que teimosamente tende estar sintonizada no meu chasso, visto que prefiro a surpresa do radio à rotina do cd.
Bem!!!
O que me chamou a atenção foi que um dos locutores disse.

-Um rapaz de quinze anos agora não é o mesmo que um moço da mesma idade há uma quinzena de Invernos atrás.
Ao que o outro comentador lhe responde:
-"oggi sono dei bambini"

E sim...é verdade infelizmente,
são meninos em corpos de rapazes, alheios às responsabilidades.
Eu... (e de certeza que quem irá ler isto) com dez anos já tinha grandes responsabilidades.

Recordo que quando saía da escola nos meses de Maio e Junho em que os meus pais trabalhavam na terra a regar o milho,
a cuidar das colheita.

Eu ia guardar a cabras, uma vintena delas e o meu pai ainda me dizia trás um pau para lenha ou então um molho de mato.

Tinha brinquedos..sim que tinha, mas fazia-os eu.
O meu maior tesouro era uma navalha que tinha trocado por uma fisga.
Fazer os deveres que actualmente se chamam TPC era à noite, ou caminho da escola.
Porque se os deveres não eram feitos a professora faziam uso da régua.

Tínhamos responsabilidades, crescíamos à força, andávamos todos os dias oito quilómetros para ir à escola.
Com geada, com sol... chuva mas divertia-mo-nos taaaaaanto.

Hoje para fazer quinhentos metros é um "ai jesus"
Têm tudo, os pais desfazem-se em prendas para os reizinhos.
Que nem que para isso tenham que recorrer ao cartão de crédito.
E depois??
São educados a esperar prémios. Se o filho tem más notas, estimulam-nos com a promessa de um presente.
Se chumba o ano a culpa é dos professores, se é mal educado
a culpa é das companhias, se está distraído é hiperactivo.

Caramba... a ver certas noticias ou certas atitudes destas
gerações.. pergunto-me:
- Como é que ainda estou vivo?? como é que ainda não estou
num sanatório??

O modelo familiar actual e a sociedade está a criar uma geração
de prepotentes, arrogantes, desrespeitadores e acima de tudo
sem valores.

Já num reclamo mais...

Sem comentários:

Enviar um comentário