fevereiro 19, 2017

Coisas, vidas e cenas...

Às vezes apetece ser ridículo, e escrever cartas de amor, contudo não querendo ter a presunção de me comparar ao Fernando, não consigo sequer ser... quanto mais ser ridículo! 

Sei, todavia, que o pior de nós encaixa tão bem, que faz com que sejamos melhores!



Poderia citar Mário Quintana, Vinicus de Moraes, Pablo Neruda, Eugénio de Andrade, poderia dizer que és isto e és aquilo, usar mil e um adjectivos que encaixassem em ti! Mas não... Eu é que encaixo em ti, e independentemente de todas as circunstâncias que fizeram que estivéssemos juntos... É caso para dizer
-Contra todas a probabilidades, todos os desvios... e como diz Carl Sagan,   "Diante da vastidão do espaço e da imensidão do tempo, é uma alegria dividir um planeta e uma época contigo"



Pelo que sou contigo, pelo que fazes comigo, por tudo o que somos quando estamos juntos e pelas saudades que sentimos quando estamos longe, pelo que és quando estás apaixonada e pelo teu feitiozinho... não te agradeço, mas digo...



Amo-te




Jack


fevereiro 10, 2017

Coisas que leio!

 Do livro, Porque tenho medo de lhe dizer quem sou
(pena que não haja uma editora que se digne a voltar a editar este livro)

"O jornalista Sidney Harris conta uma história em que acompanhava um amigo ao quiosque. 

 O amigo cumprimentou o funcionário amavelmente, mas como retorno recebeu um tratamento rude e mal educado. Pegando o jornal que foi atirado em sua direção, o amigo de Harris sorriu polidamente e desejou um bom fim de semana ao empregado.  

Quando os dois amigos desceram pela rua, o colunista perguntou: 
-"Ele sempre te trata assim daquela forma rude?" 
-"Sim, infelizmente é sempre assim".  
-"E és sempre tão polido e amigável com ele?" 
-"Sim, sou". 
-"Por que és tão educado, já que ele é tão indelicado?" 
-"Porque não quero que ele decida como eu devo agir" 

A implicação desse diálogo é que a pessoa inteira é "seu próprio dono", não se curva diante de qualquer vento que sopra; ela não está à mercê do mau humor, da mesquinharia, da impaciência e da raiva dos outros. Não são os ambientes que a transformam, mas, ela que transforma os ambientes. Muitos de nós, infelizmente, nos sentimos como um barco que flutua à mercê dos ventos e das ondas. Não temos firmeza quando os ventos se enfurecem e as ondas se encrespam.  

Dizemos coisas do tipo "ele me deixou enfurecido, incomodas-me, o teu comentário me embaraçou terrivelmente, este tempo me deprime, este trabalho aborrece-me, só de vê-lo fico triste". 

Reparem que todas essas situações estão fazendo alguma coisa comigo e com minhas emoções. Nada tenho a dizer sobre minha raiva, minha depressão ou minha tristeza. E, como todas as pessoas, me contento em culpar os outros, as circunstâncias, a falta de sorte.  

A pessoa inteira, como Shakespeare a descreve em Julius Caesar, sabe que: 
-"A falha, caro Brutus, não está nas estrelas, mas em nós mesmos..."



Um dia... estou quase lá! 

Jack

janeiro 29, 2017

Achas que sim?





Todos nós já nos vimos na situação de supra-sumo da barbatana, em que decidimos se damos ou não uma segunda oportunidade, no nosso superior egocentrismo, do alto da nossa presunção, lá temos o destino de alguém nas mãos…

E quase nunca pensamos ou melhor, recordamos, as vezes que nos foi dada uma segunda oportunidade, aquela apendicite que mais umas horas teria sido fatal, o acidente de mota que quase tirou a vida, quando ias como pressa para chegar a lado nenhum e não fora os reflexos estariam alguns dos teus restos numa sucata qualquer.

Quando temos o colega que num dia menos mau tem uma atitude menos própria e fazemos birra, quando és descoberto com “brincadeiras” que enchem o ego com um/a amigo/a virtual que não conheces de lado nenhum…

Somos tão pequenos, e temos a mania de nos tornar grandes quando das nossas decisões o rumo e felicidade de uma ou mais vidas depende.

Segunda oportunidade? Porque não! Afinal quantas vezes tiveste a tua?




"Agir, eis a inteligência verdadeira. Serei o que quiser. Mas tenho que querer o que for. O êxito está em ter êxito, e não em ter condições de êxito. Condições de palácio tem qualquer terra larga, mas onde estará o palácio se não o fizerem ali?"
Fernando Pessoa


Jack


janeiro 21, 2017

Sítios



Imaginemos!…

Estás num lugar onde não é queres estar. Sente-te que deves estar noutro sítio. (a reclamação do costume, “ah se estivesse na aldeia, seria… se tivesse estudado numa faculdade diferente seria...sei lá como, futuros alternativos, realidades diferentes, e histórias hipotéticas)

Bem, se pudesses estalar os dedos e aparecer exactamente onde queres estar, eu aposto que sentirias o mesmo, “estou no lugar errado”.

A questão é, se te concentrares tanto onde quererias estar... Esqueces de tirar proveito de onde realmente estás. 


Vive.



Jack
 

janeiro 18, 2017

Às vezes sou...




Idiota, imbecil, insuportável, incompatível, imberbe, incomprovado, impertinente, indecente, inominável, infame, inconveniente, incomportável, irreverente, irascível, intratável, insolente, ignóbil, impossível, inolvidável, interminável, insolvente, incompreendido, incomprimido, incomum, incomunicável, incomutável, inconcebível, inconciliável, incomestível, incomodante, incomparável, incomplacente, incompleto, incomposto, indolente, indirecto, indirigível, indiscernível, indisciplinável, indiscreto, indiscriminado, indiscutível, indispensável, indisponível, indisputável, indissimulável, indissociável,insaneável, insaturado, inolvidável, inquestionável, intrínseco, insuspeitável, insusceptível, incompassível, incompensado, insustentável, incomensurável, inequívoco, inestimável, inexterminável, infalsificável...  
E às vezes inseguro!

Mas acima de tudo e com todos os i's, sou... Inteligente! 
 (sem qualquer tipo de modéstia)


Jack